sexta-feira, 21 de dezembro de 2007

Serralves coloca na Internet todo o seu espólio


3.300 obras da colecção, mais de 13 mil fotografias e outros documentos e publicações acessíveis através do site da fundação.


Todo o espólio da Fundação de Serralves está on-line a partir de hoje, quinta-feira. Qualquer utilizador pode aceder gratuitamente a imagens das obras de arte, publicações, images e arquivos históricos do acervo de Serralves, que foi totalmente inventariado e digitalizado.


O acervo na Net representou “um ano e meio de trabalho", diz ao JPN Cristina Passos, membro da Direcção Geral da fundação. Trata-se de desmaterializar o museu e colocá-lo mais acessível às pessoas em qualquer ponto do mundo, explica.

O espólio digital era uma ideia já com alguns anos, mas só avançou graças ao financiamento do Programa Operacional da Cultura, que custeou 75% do investimento total de 115 mil euros. O projecto teve ainda o apoio institucional do Ministério da Cultura.

Através do site de Serralves, é possível ter acesso à colecção de obras de arte do Museu de Arte Contemporânea (3.300 peças, que vão do final da década de 60 até hoje, de artistas como Paula Rego e Fernando Lanhas); ao acervo de Carlos Alberto Cabral, Conde de Vizela, primeiro proprietário da Casa de Serralves (documentos que mostram o processo de construção da Casa e dos jardins de Serralves); ao arquivo fotográfico; e a três colecções documentais da fundação.

Só digitalizar e inventariar as mais de 13 mil obras que compõem o arquivo fotógrafico da Fundação de Serralves resultou em 902 DVD. Contém imagens de exposições, artistas, eventos e dos vários espaços da fundação e de actividades realizadas pelo Serviço Educativo de Serralves.

Lançamento da 5ª revista CONSERVAR PATRIMÓNIO

Foi apresentada no passado dia 18 de Dezembro no Museu Nacional de Arte Antiga, Lisboa, o nº 5 da revista Conservar Património, publicada pela ARP - Associação Profissional de Conservadores-Restauradores de Portugal. Na sessão intervieram Manuel Bairrão Oleiro (director do IMC-Instituto Museus e Conservação), Paulo Henriques, António João Cruz e Alexandrina Barreiro. Trata-se de um número especial dedicado a um relatório que o restaurador de pinturas Luciano Freire escreveu na década de 1930 onde descreve os tratamentos que fez a muitas das mais importantes pinturas antigas dos museus portugueses.

A revista Conservar Património é uma revista científica com periodicidade semestral que pretende proporcionar um espaço aos conservadores-restauradores para a divulgação regular dos seus estudos e actividades. Porém, numa época em que a conservação e restauro tenta desenvolver-se através da colaboração com outras áreas, designadamente, a história da arte, a arqueologia, a museologia, a química, a física, a biologia e outras disciplinas da área das ciências exactas e naturais, a revista igualmente acolhe as contribuições com qualquer outra proveniência desde que incidam sobre a materialidade das obras que constituem o nosso património cultural. (+ info.)

Um conto no Museu de Angra do Heroísmo

quarta-feira, 5 de dezembro de 2007

Património Arterial - I Jornadas


Mais uma excelente iniciativa do curso de Gestão do Património, leccionado na Escola Superior de Educação do Porto - IPP.

Férias de Natal no museu da chapelaria


Inscrições abertas até ao dia 15 de Dezembro no Museu da Chapelaria.
Contactos: 256 201 680

sexta-feira, 30 de novembro de 2007

Museus: Casa Museu de Camilo distinguida com Prémio Melhor Museu 2006 pela APOM

A Casa Museu de Camilo foi hoje distinguida com o Prémio Melhor Museu 2006 atribuído pela Associação Portuguesa de Museologia (APOM), que concedeu também menções honrosas ao Museu do Caramulo e ao Laboratório Chimico da Universidade de Coimbra.

Localizada em São Miguel de Seide, Vila Nova de Famalicão, a Casa Museu de Camilo "destaca-se não só pelo projecto museológico, mas também pelo seu trabalho como centro de informação e investigação sobre o escritor" Camilo Castelo Branco (1825-1890).

Os Prémios APOM 2006 foram anunciados numa cerimónia no Museu de História Natural, em Lisboa, e que também irá prestar homenagem ao professor jubilado António Galopim de Carvalho como Melhor Personalidade na Área da Museologia.

Na categoria de Melhor Exposição, a APOM atribuiu o primeiro prémio ao Museu Municipal de Vila Franca de Xira, com a exposição realizada no ano passado dedicada ao Neo-Realismo.

O Museu do Papel de Terras de Santa Maria - Paços Brandão recebeu o primeiro prémio de Melhor Serviço de Extensão Cultural e o Museu da República e o Museu Regional de Beja foram distinguidos com menções honrosas nesta categoria.

"Construindo a Memória - As Colecções do Museu Arqueológico do Carmo", realizado pela Associação dos Arqueólogos Portugueses, recebeu o primeiro Prémio de Melhor Catálogo, e a APOM atribuiu ainda uma menção honrosa ao catálogo "Um Olhar do Porto - Uma Colecção de Artes Decorativas", do Museu Quinta das Cruzes, no Funchal.

A Revista "Museal", do Museu Municipal de Faro, e a tese de mestrado de Filipe Serra - "Gestão e Administração dos Museus Portugueses" - receberam ex-aequo o primeiro prémio de Melhor Trabalho sobre Museologia.

(in Lusa 29 Novembro 2007)


quinta-feira, 29 de novembro de 2007

Prémios Préstige 2006 - APOM

A Associação Portuguesa de Museologia (APOM) tem previsto para amanhã, em Lisboa, a entrega dos Prémios Prestígio 2006 para a área da museologia.

Os Prémios Prestígio da APOM, são atribuídos desde 1996 e destinam-se a valorizar os diferentes aspectos da museologia e destacar o papel dos museus na sociedade e na cultura.

Os prémios são atribuídos nas categorias de melhor museu português, melhor exposição portuguesa, melhor catálogo português, melhor serviço educativo e melhor trabalho científico nesta área (mestrado ou doutoramento), sendo igualmente homenageada uma figura nacional que se tenha destacado pelo seu trabalho em prol da museologia.

Na entrega dos prémios, prevista para amanhã, pelas 18h30, no Museu de História Natural, será homenageado o professor jubilado António Galopim de Carvalho, pelo seu trabalho na defesa do património cultural e científico, nomeadamente na defesa e preservação das pegadas de dinossauros encontradas em Portugal nos últimos anos.

terça-feira, 27 de novembro de 2007

Museus de arte sacra debatem estratégia global

Acredenciação e a valorização das instituições museológicas são os temas em debate no âmbito da segunda edição das Jornadas Nacionais dos Museus da Igreja, que se realizam hoje em Santiago do Cacém.

Organizadas pela Associação Portuguesa de Museus da Igreja Católica (APMIC), as jornadas visam promover a reflexão e debate sobre assuntos relacionados com a qualificação dos tesouros da Igreja, recurso a fundos comunitários e nacionais, acolhimento dos visitantes e criação de condições de segurança contra furtos.

"A salvaguarda e a valorização do património religioso constituem, hoje em dia, prioridades para a Europa. Portugal despertou tarde para os problemas relacionados com a defesa e a promoção da sua arte sacra, que representa uma parte considerável do universo patrimonial do país estima-se que cerca de 80% dos bens culturais portugueses têm natureza religiosa", lembra a propósito José Falcão, presidente da APMIC.

Criada em 2004, aquela associação tem como objectivos incrementar e coordenar a actividade dos museus eclesiásticos. Congrega museus ou instituições afins, com carácter permanente, como é o caso dos tesouros da catedrais e de outras igrejas, que queiram unir esforços em ordem a melhor adquirir, preservar, estudar e tornar úteis os seus bens culturais móveis. Trabalhar em rede, optimizar recursos e fomentar o diálogo entre pares são prioridades.

A organização da Rede Portuguesa de Museus e a criação de parcerias entre o Estado, os municípios e as instituições privadas, como a Igreja, serão outras questões em debate.

"No que respeita à valorização, vai ser também estudado o caso específico dos museus da Galiza, que possuem legislação recente e estão a ser alvo de um grande esforço de requalificação por parte dos serviços públicos, numa linha de abertura às comunidades locais e de promoção do turismo cultural e religioso", adiantou o presidente da APMIC.
(in JN, 26 de Novembro de 2007)

domingo, 25 de novembro de 2007

Museu de Faro garantiu apoio para projectos de segurança e de parceria

O Museu Municipal de Faro viu as três candidaturas que fez ao programa ProMuseus, em 2007, aprovadas pelo Ministério da Cultura.

No ano passado, o mesmo espaço cultural já havia garantido apoio da tutela, no âmbito do Programa de Apoio à Qualificação de Museus, para a realização de cinco projectos.Os apoios do ProMuseus foram contratualizados entre o espaço cultural farense e o Instituto de Museus e da Conservação no passado dia 19. Duas das candidaturas englobam outros museus da região.
Uma delas foi relativa ao sistema de segurança do Museu de Faro, nomeadamente à instalação de um sistema de detecção de incêndios.
Às outras duas candidaturas, ambas integradas na valência «Parcerias» do ProMuseus, foi dado o título «Caixa-Viagem pela História do Algarve» e «Quatro Museus do Algarve, quatro edifícios com História».
No primeiro caso, trata-se de um projecto que engloba o Museu Municipal de Portimão, Museu Municipal de Tavira e o Museu Municipal de Arqueologia de Albufeira.
Os Museus do Trajo de S. Brás de Alportel, o Museu Municipal de Loulé, o Museu Municipal de Arqueologia de Silves, o Museu Dr. José Formosinho de Lagos, o Museu Marítimo Ramalho Ortigão em Faro e o projecto do Museu Municipal de Lagoa também estão associados a este projecto.
A segunda candidatura, desenvolvida em parceria com o Museu Municipal de Portimão, Museu Municipal de Tavira e Museu Municipal de Arqueologia de Albufeira, pretende divulgar o historial dos museus da região que pertencem à Rede Portuguesa de Museus e dos edifícios patrimoniais em que estão instalados.
Entretanto, já estão a ser implementados os cinco projectos aprovados em 2006.

IV Jornadas de Património de Vila Viçosa

Nos próximos dias 24 e 25 de Novembro realizam-se, no Cine-Teatro Florbela Espanca, as IV Jornadas do Património de Vila Viçosa, um espaço de abertura ao diálogo, ao debate de ideias e à discussão técnica e científica de referência, que tem como principal objectivo permitir o aparecimento de novas ideias e de estudos inovadores no âmbito dos vários territórios do património de Vila Viçosa.

Esta nova edição das Jornadas do Património vai dar origem, com toda a certeza, a um conjunto articulado de comunicações e estudos científicos inovadores e de amplos horizontes, apresentados pela voz autorizada de eminentes especialistas, relativos ao tecido artístico, histórico, urbanístico e arquitectónico.

No dia 25 de Novembro, pelas 17h00, vai ser também apresentada a 15.ª edição da Revista Callipole, a revista de Cultura da Câmara Municipal de Vila Viçosa.

sexta-feira, 23 de novembro de 2007

Presépios dos quatro cantos do mundo

São mais de uma centena, realizados em diversos materiais, os presépios que podem ser vistos, em Alcains

Com esta mostra, o Museu do Canteiro pretende “realçar o carácter universal desta tradição, expondo diferentes formas de interpretação/representação de um mesmo acontecimento: o nascimento de Cristo”.

A exposição temporária deste espaço museológico de Alcains mostra cenas de Natal vindas de vários países: Japão, China, República Checa, Itália, Peru, México, Brasil, Guatemala, Equador, Angola, Israel, Vaticano, sinalizando, ainda que de uma forma restrita, a diversidade social e cultural de cada um deles. As peças constituem parte da colecção particular do obstreta no Centro Hospitalar Cova da Beira, Francisco Elias.

Para complementar esta exposição o Serviço Educativo do Museu do Canteiro preparou o ateliê "O ABC do Presépio" . Depois da visita, as crianças dos 4 aos 12 anos são convidadas a criar o seu próprio presépio, com diversos materiais. "Presépios dos Quatro Cantos do Mundo" está patente no Museu do Canteiro até ao dia 20 de Janeiro de 2008 e poderá ser visitada no seguinte horário: Terça a Sexta – 9:30 - 12:30 / 14:00 - 17:30; Sábado e Domingo - 14:30 - 18:30. Encerra à Segunda-feira.

O Serviço Educativo do Museu de Angra do Heroísmo promove quarta-feira, pelas 16 horas, no auditório daquela instituição, um encontro com professores, formadores e educadores para a apresentação do programa de actividades educativas disponíveis no ano lectivo 2007-2008.


A iniciativa visa abrir aquele serviço ás necessidades dos professores, já que muitos dos objectivos que mobilizam os serviços educativos dos museus são paralelos aos das instituções escolares.

A participação dos educadores neste encontro é considerada crucial para que a programação já assumida por aquele serviço educativo possa ser enriquecida e, acima de tudo, conhecida pelos interessados no Museu de Angra do Heroísmo.

sexta-feira, 16 de novembro de 2007

Programa Educativo Ano Lectivo 2007/2008

À semelhança de anos anteriores apresenta um conjunto de actividades que passam por visitas guiadas, visitas guiadas com dramatização, ateliês e jogos pedagógico-didácticos, inseridas nas temáticas expositivas e nos currículos escolares.
O Programa Educativo de 2007/2008 apresenta um conjunto de inovações que versam uma panóplia de actividades muito originais que visam estimular a criatividade utilizando a cultura ao serviço da escola.

Veja o Programa Educativo de 2007/2008 [pdf.178 kb]
Folheto Informativo [pdf.165 kb]

segunda-feira, 5 de novembro de 2007

“Pintar a Música” ao som de Mussorgsky

O Serviço Educativo de Música, um projecto da Orquestra Clássica da Madeira em parceria com o Conservatório- Escola das Artes e com direcção artística de Rui Massena, promove uma actividade que abre o caminho para a música erudita, desta vez através das artes plásticas.
Nesta oficina, marcada para 11 de Novembro, os mais pequenos podem ilustrar, pintar, recortar e colar ao som de Mussorgsky.
Esta iniciativa, orientada por Gualter Rodrigues, vai realizar-se às 10h00 e 15h00, respectivamente para crianças dos 5 aos 9 e dos 10 aos 14, na Sala Azul do Centro de Congressos da Madeira, com a duração de três horas. Há um limite de 10 inscrições para cada um dos horários, e o custo da actividade é de 25 euros (inclui todo o material e os participantes poderão ainda levar para casa os seus trabalhos finais).